A endometriose pode afetar a sua pele, saiba mais sobre essa relação



O mês de março não só traz as discussões sobre o Dia Internacional da Mulher, como também levanta uma pauta extremamente importante para a saúde feminina: o Março Amarelo é a campanha de conscientização sobre a endometriose.


Só para termos uma ideia da relevância dessa doença, ela afeta até 6,5 milhões de mulheres em todo o Brasil, provocando cólicas fortes, menstruação irregular, dificuldade para engravidar e até mesmo um risco elevado para o câncer de ovário.


Mas você sabia que além dos efeitos na reprodução, a endometriose também pode prejudicar a pele? Fique comigo até o final deste artigo para entender melhor essa relação.


O QUE É ENDOMETRIOSE?


Antes de falarmos sobre o problema, de fato, precisamos conhecer um pouco mais sobre o endométrio. Ele é um tecido que reveste a parte de dentro do útero e que todo mês fica mais espesso pra ajudar a prender o óvulo fecundado e sustentar a gravidez. Na prática, se a mulher não estiver grávida, ele descama naturalmente e é eliminado pela menstruação, ciclo após ciclo.


A endometriose nada mais é do que a presença desse endométrio fora do útero, ou seja, um deslocamento para outros órgãos como ovários, trompas e bexiga. Apesar das causas serem desconhecidas, sabemos que o risco de desenvolver essa condição é maior em quem possui histórico familiar próximo.


Se você está se perguntando qual o problema nessa história, aqui vai a explicação: ainda que o endométrio não esteja em seu local natural, ele continua recebendo estímulos hormonais todo mês, e isso costuma provocar reações inflamatórias nos órgãos afetados. O sintoma mais frequente, como eu havia mencionado no início do artigo, é a cólica intensa.


COMO A ENDOMETRIOSE AFETA A PELE?


É natural que com o passar dos anos as mulheres tenham uma perda de colágeno e uma maior oscilação hormonal. Por outro lado, quem tem endometriose vivencia esse processo com maior intensidade, o que por consequência interfere na saúde da pele.


Além de observar uma maior flacidez e perda de coloração na pele, mulheres com essa condição também sofrem com o que chamamos de acne hormonal, uma manifestação bem incômoda que traz cistos - muitas vezes cheios de pus - inchaços, vermelhidão e dor localizada.


Apesar de serem mais comuns no rosto, as acnes também podem aparecer em outras regiões do corpo, como ombros e costas, e se assemelham bastante aos casos típicos da adolescência.


Do ponto de vista do tratamento da pele, é importante que as mulheres que possuem endometriose sempre consultem uma dermatologista acostumada a lidar com casos de acne e desequilíbrio hormonal. Hoje em dia, existem ótimas alternativas para não só controlar a causa, mas atenuar os efeitos negativos e cuidar da autoestima.


Além disso, vale a pena cuidar dos hábitos diários que sempre fazem a diferença: boa hidratação, exercícios físicos e alimentação equilibrada, rica em frutas, verduras e legumes.


Caso tenha alguma dúvida, lembre-se que estou à disposição. Podemos agendar um horário no meu consultório pelo telefone (34) 3217-8394 ou WhatsApp (34) 99317-8394.


Dra. Monique Naves

CRM MG 57040 RQE 45099⠀


11 visualizações0 comentário