Após 1 ano de pandemia, o que sabemos sobre os efeitos dermatológicos da COVID-19?



Não há dúvidas de que a pandemia de Covid-19 transformou a sociedade. O vírus Sars-CoV-2, identificado pela primeira vez em Wuhan, na China, se espalhou pelo mundo afora, redefiniu hábitos, alarmou a saúde e desafiou a ciência, que até hoje se dedica a estudar os efeitos da infecção sobre o corpo humano.

Apesar de ser comumente associado a sintomas respiratórios, como falta de ar, tosse e coriza, o vírus também deixa marcas na pele de quem o enfrenta. Para resumir, separei os principais pontos levantados por dois estudos muito interessantes acerca dessa relação entre a Covid-19 e a dermatologia, e que muitas vezes passam despercebidos por aí:

- Profissionais de saúde que usam equipamentos de proteção individual (EPI) por um longo período de tempo podem apresentar lesões por pressão, dermatite de contato, urticárias e edemas. Em função da máscara, o rosto é a região do corpo mais afetada;

- As medidas de higienização com álcool e desinfetantes também deixam marcas em algumas pessoas. Quem tem a pele mais sensível pode se queixar de coceiras, ressecamento, descamação, alergia e dermatite de contato. Para evitar problemas, é interessante hidratar as mãos e os braços após a higienização com água morna e sabonete neutro, evitando produtos com corantes ou perfumes;

- Há evidências de que pacientes infectados podem apresentar erupções avermelhadas na pele, geralmente em função da dilatação de vasos sanguíneos ou inflamações virais. Um dos estudos, inclusive, aponta uma prevalência estimada em 20% dos casos em adultos. Essas erupções podem surgir em pequenos nódulos, se acumular e formar uma mancha única, ter bordas irregulares ou até mesmo se assemelhar a uma frieira.

- A Covid-19 também impacta indiretamente a vida de quem já possui uma doença de pele e precisa de acompanhamento. Desde o início da pandemia, passamos mais tempo em casa e evitamos qualquer tipo de saída, inclusive para o médico, o que pode agravar sintomas e comprometer os tratamentos. Se for o seu caso, converse com seu dermatologista e não abandone as consultas!

Diante de todas essas questões, não podemos negar: a ameaça é real e nós precisamos redobrar os cuidados. Enquanto não estivermos todos imunizados, não devemos abrir mão do uso correto das máscaras, higienização das mãos e superfícies, distanciamento social e manutenção dos bons hábitos de vida para fortalecer o organismo.

Caso tenha alguma dúvida, estou à disposição para conversarmos. Você pode agendar um horário comigo pelo telefone (34) 3217-8394 ou WhatsApp (34) 99317-8394.

Fontes:

Gül Ü. COVID-19 and dermatology. Turk J Med Sci. 2020 Dec 17;50(8):1751-1759. doi: 10.3906/sag-2005-182. PMID: 32599968; PMCID: PMC7775718.

Shinkai K, Bruckner AL. Dermatology and COVID-19. JAMA. 2020;324(12):1133–1134. doi:10.1001/jama.2020.15276


38 visualizações0 comentário