Eletrocoagulação: saiba tudo sobre esse procedimento utilizado no tratamento do Câncer de Pele



Durante o Dezembro Laranja, campanha promovida pela Sociedade Brasileira de Dermatologia, falamos bastante sobre os perigos do câncer de pele, os hábitos de prevenção, a importância do diagnóstico precoce e, é claro, os tratamentos disponíveis para preservar a nossa saúde.


A Eletrocoagulação, também chamada de Eletrocirurgia, é um dos procedimentos mais comuns quando se trata da destruição dos tumores de pele e atinge bons resultados se aplicada em fases iniciais. Na sequência deste artigo, vou te contar um pouquinho mais sobre como ela funciona e quais os cuidados pós-operatório.


O QUE É ELETROCOAGULAÇÃO?


Essa técnica cirúrgica consiste em destruir tumores benignos e cânceres de pele através da aplicação de uma corrente elétrica que cauteriza - ou seja - queima a lesão, interrompendo o seu crescimento.


O processo é feito com o uso de alguns eletrodos de baixa voltagem, alta amperagem e baixa potência, o que impede que o paciente sinta desconfortos e choques durante a aplicação. Antes mesmo de dar início, o médico também higieniza e aplica uma anestesia localizada.


Para diminuir os riscos de complicações, queimaduras e infecções, é fundamental que todo paciente procure um dermatologista especializado em Cirurgia Dermatológica, sempre preservando a segurança e a saúde acima de tudo.


Outro ponto importante é a necessidade de fazer uma avaliação pré-operatória para garantir que este realmente é o tratamento mais indicado. Vale a pena lembrar que um câncer de pele tem diversos tipos, afeta diversos locais e pode ser removido de várias formas. Não deixe de conversar com a sua dermato e realizar os exames.


COMO SE CUIDAR DEPOIS DO PROCEDIMENTO?


Para realizar a eletrocoagulação o paciente não precisa internar, ou seja, tudo é feito na própria clínica e a liberação ocorre no mesmo dia.


  • Manchas escuras e pequenas crostas na área tratada são normais durante os primeiros dias;

  • Não é recomendado abafar o local até que esteja recuperado;

  • Não é permitido tomar sol nos primeiros dois meses;

  • É obrigatório o uso de protetor solar de qualidade com reaplicações frequentes ao longo do dia;

  • Converse com a dermato sobre a necessidade de usar cremes cicatrizantes ou analgésicos;

  • Não use qualquer tipo de cosmético ou maquiagem não indicada pelo médico.


Não se esqueça que o tratamento também passa pela manutenção de bons hábitos. Fique atento(a) aos sinais, cuide da sua saúde e busque ajuda sempre que identificar algo anormal.


Caso tenha alguma dúvida, podemos agendar um horário no meu consultório. Estou à disposição! Você pode entrar em contato pelo telefone (34) 3217-8394 ou WhatsApp (34) 99317-8394.


Dra. Monique Naves

CRM MG 57040 RQE 45099⠀


16 visualizações0 comentário