Herdou um melasma após a gestação? Saiba como tratar



No consultório, em geral as pacientes chegam com a queixa de que manchas escuras ou acastanhadas começam a aparecer na face, principalmente nas maçãs do rosto, testa, nariz e lábio superior (o chamado buço). Quando avalio o quadro e vem o diagnóstico, muitas ficam decepcionadas com o fato de o melasma ser um transtorno crônico (o tratamento precisa ser constante, eu falo dele a seguir!).


Em resumo o melasma é uma hiperpigmentação da pele, decorrente da deposição aumentada de melanina, proteína que garante a coloração da pele. Ele pode acometer diferentes camadas da pele, sendo diferenciado em três tipos:


TIPOS DE MELASMA:

Epidérmico – nesse caso, como o próprio nome sugere, o acúmulo de melanina se deposita principalmente na epiderme, camada protetora e superficial da pele;


Dérmico – nesse caso a mancha de melanina atinge a derme, camada intermediária da pele, localizada entre a epiderme e a hipoderme e composta por diversos tecidos com diferentes funções.


Misto – quando o depósito de melanina afeta tanto a derme quanto a epiderme.


Vale dizer que as mulheres entre 25 e 40 anos são as mais afetadas pela condição – somente 10% dos casos acontecem em homens. Há também uma maior predisposição para pessoas de pele morena e negra, além de asiáticos e latinos.


QUAL O TRATAMENTO PARA MELASMA?

Pode parecer desanimador ouvir que o melasma não tem cura, mas a verdade é que os tratamentos são eficazes no manejo das manchas e permitem que você leve uma vida sem a perturbação constante das manchas escuras na pele.


Existem diferentes tratamentos disponíveis para o manejo da condição, no entanto o melhor protocolo deve ser indicado por um dermatologista, após análise criteriosa do tipo de melasma e avaliação de outros fatores relacionados ao transtorno. Ah, é bom lembrar que as “receitinhas caseiras” são expressamente desaconselhadas, isso porque não é raro casos em que pacientes sofrem com irritações na pele após tentarem peelings caseiros (o que acaba por piorar a situação!).


Então vamos ao que interessa! Entre as terapias disponíveis temos:


Uso de medicamentos tópicos

Peelings

Aplicações de luzes ou lasers


É importante salientar, entretanto, que o tratamento do melasma sempre prevê um conjunto de medidas para clarear, estabilizar e impedir que o pigmento volte. A seguir alguns dos procedimentos indicados:  


Por isso separei algumas dicas que vão te ajudar a entender como funciona o tratamento:


PROTETOR SOLAR SEMPRE!!!!


Se para quem não sofre com nenhum problema de pele ele já é essencial, para quem convive com o melasma que é justamente um transtorno causado pelo depósito de melanina, ele é regra absoluta. Independente de melasma ou não a regra é clara: você deve passar protetor solar TODOS OS DIAS (mesmo naqueles mais nublados)!


Mas vale fazer um adendo: como o melasma pigmenta também com a luz visível, os filtros solares comuns não protegem totalmente as pessoas com melasma. Por isso, devem-se associar à fotoproteção filtros físicos, que protegem da luz visível.

Outra medida importante é a reaplicação do filtro solar, para manter a proteção adequada durante todo o dia. As pessoas com melasma devem também utilizar roupas, chapéus, bonés, óculos escuros, sombrinhas e guarda-sóis. Toda a medida que evite a exposição solar da região acometida deve ser estimulada.


USO DE MEDICAMENTOS

Bom, antes de qualquer coisa, a medicação deve ser prescrita por um dermatologista (que também te dará as melhores instruções de uso). Mas, em geral, é recomendado usar medicamentos orais e tópicos com ação antioxidante e, à noite, utilizar ácidos (a escolha da potência desse ativo é feita com base na análise prévia da condição da pele).


Além disso, em termos de ativos, o ácido tranexâmico – aplicado de forma tópica ou intradérmica –, é considerado um grande aliado por sua ação antifibrinolítica, que reduz a ação da proteína plasmina (substância que leva a um estímulo das manchas).


MMP

A técnica de MMP [Microinfusão de Medicamentos na Pele] é muito utilizada para inserir ativos com ação clareadora na camada intermediária da pele.


Laser e Luz Intensa Pulsada

Tratamentos com luz podem ajudar no conjunto de medidas para clarear o melasma. No entanto, esta modalidade de tratamento deve ser feita com extremo cuidado para não gerar mais pigmentação (é exatamente por isso que esse tipo de tratamento só deve ser realizado por um profissional habituado às fontes de energia luminosa, como o dermatologista).  

No caso do uso do laser é importante que o protocolo escolhido tenha tecnologia compatível com a necessidade. Isso porque alguns tipos de laser são mais “arriscados”. Eu, por exemplo, trabalho apenas com tecnologias de ponta e com certificados de desempenho.

Quando bem utilizadas, as terapias com raios laser podem ter ótimos resultados uma vez que levam ao rompimento dos grãos de melanina que serão reabsorvidos e eliminados pelas células do organismo.


Ficou com alguma dúvida sobre melasma? Acesse minhas redes sociais e me mande um inbox.


Fonte: SBD

15 visualizações0 comentário