Qualquer pessoa pode ter psoríase? Entenda mais sobre essa doença



SIM! Homens e mulheres, crianças ou idosos e de qualquer classe social, prova disso é a socialite Kim Kardashian que tem compartilhado nos últimos tempos a sua rotina e os desafios de lidar com a psoríase.

Recentemente, ela até lançou uma linha de maquiagem específica para quem convive com a doença e tem falado muito sobre o assunto, exemplo disso é uma publicação no site POOSH. No conteúdo original (em inglês), ela narra e ilustra toda sua jornada com imagens e relatos bem pessoais, o que ajuda muita gente a entender que a psoríase é uma doença autoimune que pode atingir (e prejudicar a qualidade de vida) de qualquer pessoa, mas que também é possível tratá-la e manejar seus efeitos de maneira que os sintomas não limitem a vida de ninguém!

O QUE É A PSORÍASE?

Como citado anteriormente, essa é uma doença autoimune que acarreta um processo inflamatório no organismo e gera sintomas cíclicos (que aparecem e desaparecem) como:

  • Manchas vermelhas com escamas secas esbranquiçadas ou prateadas;

  • Pequenas manchas brancas ou escuras residuais após lesões;

  • Pele ressecada e rachada; às vezes, com sangramento;

  • Coceira, queimação e dor;

  • Unhas grossas, sulcadas, descoladas e com depressões puntiformes;

  • Inchaço e rigidez nas articulações (comum na artrite psoriática, uma complicação causada pelo processo inflamatório que acomete todo o organismo).


CAUSAS

Segundo definição da Sociedade Brasileira de Dermatologia “acredita-se que ela se desenvolve quando os linfócitos T (células responsáveis pela defesa do organismo) liberam substâncias inflamatórias e formadoras de vasos. Iniciam-se, então, respostas imunológicas que incluem dilatação dos vasos sanguíneos da pele e infiltração da pele com células de defesa chamadas neutrófilos que atacam a pele. Como as células da pele estão sendo atacadas, sua produção também aumenta, levando a uma aceleração do crescimento, com consequente produção de escamas devido à imaturidade das células. Esse ciclo faz com que as células mortas não consigam ser eliminadas eficientemente, formando manchas espessas e escamosas na pele.”.

Além do fator autoimune, essa é uma doença que tem uma carga genética, ou seja, se alguém na sua família possui o problema, suas chances de também desenvolvê-la são maiores e também é influenciada por fatores ambientais como o clima frio e também pelo estilo de vida (obesidade, tabagismo, consumo de álcool e estresse agravam o quadro).

TRATAMENTOS

Existem diferentes tipos de tratamentos que ajudam no controle do quadro, podendo ir desde uma dieta equilibrada e prática de exercícios físicos, uso de hidratantes para controlar o aspecto ressecado até uso de medicamentos baseados no que há de mais novo em tecnologia. Entenda:

  • Tratamento tópico: feito com o uso de medicamentos em cremes e pomadas, aplicados diretamente na pele. Podem ser usados em conjunto com outras terapias ou isoladamente, em casos de psoríase leve.

  • Tratamentos sistêmicos: medicamentos em comprimidos ou injeções, geralmente indicados para pacientes com psoríase de moderada a grave e/ou com artrite psoriásica.

  • Tratamentos biológicos: esse é o tratamento mais eficiente para o problema, no entanto, ainda possui um custo altíssimo (principalmente para as versões mais atuais de biológicos), o que inviabiliza sua utilização como primeiro recurso. Trata-se de uma tecnologia em medicamentos injetáveis que age diretamente nas moléculas inflamatórias envolvidas na psoríase, por isso são indicados para o tratamento de pacientes com psoríase moderada a grave. Importante ressaltar que existem diversas classes de tratamentos biológicos para psoríase já aprovadas no Brasil: os chamados anti-TNFs (como adalimumabe, etanercepte e infliximabe), anti-interleucina 12 e 23 (ustequinumabe) ou anti-interleucina 17 (secuquinumabe).

  • Fototerapia: consiste na exposição da pele à luz ultravioleta de forma consistente e que module a atividade das células para que a pele não vire refém do autoataque das defesas. O tratamento precisa ser feito por profissionais especializados.

É importante que o paciente nunca interrompa o tratamento prescrito sem autorização do médico. Mesmo que os sintomas “desapareçam” como citado no início desse texto, a psoríase é uma doença com sintomas cíclico, que podem vir e voltar, a interrupção do tratamento pode agravar a situação.

Fonte: Sociedade Brasileira de Dermatologia

11 visualizações0 comentário