Sabia que contra esse tipo de herpes existe VACINA?



Nesse contexto em que tanto falamos sobre vacinação, nada melhor do que reforçar a sua importância e compartilhar informações seguras para a saúde de todos.


Muita gente não sabe, mas existe um problema com grande manifestação na pele e pode ser evitado por meio da imunização: o herpes zóster, também chamado popularmente de cobreiro.


O QUE É HERPES ZÓSTER?


De acordo com a Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIM), essa é uma doença provocada pela reativação do vírus varicela zóster (VZV) ou herpesvírus humano tipo 3, o mesmo da catapora, que permanece latente no nosso organismo desde a infância até que aconteça uma queda na imunidade.


Em geral, o processo de reativação do vírus acontece pelo envelhecimento natural, em longos episódios de estresse ou diante de uma outra doença que comprometa o sistema imune, como a AIDS e o câncer.


É importante ressaltar que o herpes zóster ou cobreiro não tem nada a ver com herpes genital e labial. Essas duas são infecções sexualmente transmissíveis e provocadas por outro vírus, o herpes simples.


QUAIS SÃO OS SINTOMAS?


Quando o vírus é reativado, a dor se torna o sintoma mais frequente e incômodo, e pode aparecer antes dos outros sintomas. Segundo a Sociedade Brasileira de Dermatologia, o cobreiro se manifesta por:


  • Lesões lineares na parte lateral do corpo, tronco, face e membros;

  • Vermelhidão;

  • Coceira;

  • Formação de bolhas;

  • Formigamento;

  • Febre.


COMO FUNCIONA A VACINAÇÃO?


De acordo com a SBIM, a imunização contra herpes zóster está licenciada para pessoas com 50 anos ou mais e deve fazer parte da rotina de quem tem mais de 60 anos. Como eu já mencionei, o envelhecimento natural do sistema nervoso faz com que as reativações sejam mais comuns na terceira idade.


A vacina é composta por versões atenuadas (enfraquecidas) do vírus varicela zóster (VZV) e deve ser aplicada em uma única dose. Ela não é recomendada para gestantes, imunodeprimidos, pessoas com tuberculose ativa não tratada e alérgicos a qualquer componente do produto.

Vale a pena destacar que essa vacina já passou por muitos estudos. Ela tem eficácia de aproximadamente 60% contra o surgimento da doença e de 70% contra a dor crônica. A imunização contra a catapora na infância também pode ajudar.


COMO TRATAR?


A Academia Americana de Dermatologia recomenda que todos os pacientes com uma manifestação do cobreiro procurem um atendimento médico o quanto antes. Dessa forma, um profissional pode ajudar a controlar o avanço das lesões e evitar complicações mais sérias, como quando ela surge na região da face e traz riscos para a visão.


Em geral, recomenda-se tomar analgésicos e antivirais desde os primeiros dias e primeiros sintomas da doença.


Caso tenha alguma dúvida sobre esse ou qualquer outro assunto, lembre-se que estou à disposição. Podemos agendar um horário no meu consultório pelo telefone (34) 3217-8394 ou WhatsApp (34) 99317-8394.


Dra. Monique Naves

CRM MG 57040 RQE 45099⠀


13 visualizações0 comentário