Tudo que você precisa saber ANTES de agendar seu microagulhamento



Hoje em dia, quando o assunto é cuidado com a pele do rosto e combate ao envelhecimento precoce, não faltam opções e promessas milagrosas nas redes sociais.


Como dermatologista, me sinto na obrigação de esclarecer um ponto que pode fazer muita diferença na sua saúde: qualquer procedimento dermatológico precisa ser encarado como um tratamento e não deve ser feito sem uma boa avaliação especializada.


Quer um bom exemplo? O MICROAGULHAMENTO!


Essa técnica está em alta e pode trazer muitos benefícios, desde que o paciente tire todas as dúvidas e converse abertamente com a dermato.


COMO O MICROAGULHAMENTO FUNCIONA?


De acordo com a Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD), o microagulhamento é um tratamento que - como o próprio nome indica - consiste em fazer microperfurações na pele com diversas agulhas extremamente finas.


Quando isso acontece, a região tratada fica levemente lesionada, o que naturalmente induz a renovação celular e uma maior produção de colágeno, elastina e outras fibras que dão sustentação à pele.


Em geral, existem duas técnicas principais de microagulhamento: uma não invasiva e outra cirúrgica. Basicamente, a diferença entre as duas está em detalhes do equipamento utilizado e no tipo de anestesia aplicado antes do procedimento. A primeira, por exemplo, demanda apenas um creme anestésico.


Via de regra, os resultados do microagulhamento podem ser notados após a terceira sessão, visto que leva um tempinho até o organismo processar o novo colágeno.


PARA QUÊ SERVE?


Atualmente, o microagulhamento tem se mostrado uma boa opção para tratar:


  • Cicatrizes

  • Marcas de acne

  • Estrias

  • Linhas de expressão

  • Flacidez localizada

  • Poros dilatados

  • Manchas de melasma

  • Calvície


Em alguns casos, a dermatologista pode utilizar essa técnica de microperfuração para aplicar dermocosméticos em certas camadas da pele. É o que chamamos de drug delivery.



QUEM PODE (OU NÃO) FAZER O PROCEDIMENTO?


A melhor forma de garantir a segurança e a eficiência de um microagulhamento é realizar uma avaliação criteriosa no consultório. Nessa etapa, a dermato vai entender os seus objetivos, examinar sua pele, conhecer mais detalhes sobre a sua saúde e definir o tratamento adequado.


Segundo a SBD, o paciente que deseja fazer o procedimento não deve estar com a pele muito bronzeada e nem apresentar lesões na área a ser tratada. Queimaduras, cortes e câncer de pele nas proximidades também contraindicam a sessão.


QUAIS CUIDADOS É PRECISO TER?


Além de passar pela avaliação, a Academia Americana de Dermatologia reforça um outro ponto crucial: todo paciente deve se certificar junto ao dermatologista de que o material usado no microagulhamento possui autorização da Anvisa e tem agulhas estéreis. Esse tipo de recurso é descartável e não pode ser reutilizado nem mesmo na própria pessoa.


Vale a pena destacar ainda que para um bom aproveitamento dos resultados - e para a sua segurança - o melhor microagulhamento é aquele realizado pelas mãos de um bom médico. Os equipamentos caseiros costumam ter agulhas mais curtas, cegas e com pouco controle de higienização.


Após o procedimento, lembre-se:


  • Mantenha a área higienizada com produtos neutros;

  • Evite se expor ao sol, principalmente sem proteção;

  • Consulte o médico sobre a recomendação de um hidratante;

  • Evite cosméticos com perfumes e ácidos;

  • Evite apertar ou esfregar a área tratada nas primeiras horas.


Caso queira saber mais sobre o microagulhamento e outros tratamentos para a pele, podemos agendar um horário no meu consultório. Estou à disposição! Você pode entrar em contato pelo telefone (34) 3217-8394 ou WhatsApp (34) 99317-8394.


Dra. Monique Naves

CRM MG 57040 RQE 45099⠀


22 visualizações0 comentário